7 erros que os brasileiros mais cometem na hora de escrever em inglês

Author:


Aprender um novo idioma é um processo gratificante, mas também repleto de desafios. Nesse sentido, para os brasileiros, dominar o inglês pode ser particularmente difícil devido às diferenças significativas que apresenta em relação ao português.

continua depois da publicidade

Desde a estrutura gramatical até o uso de tempos verbais, há várias armadilhas ao longo do caminho.

Ao identificar os erros mais comuns, podemos desenvolver estratégias para superá-los, melhorando assim a fluência e a competência no inglês como segunda língua.

7 erros comuns que brasileiros cometem ao escrever em inglês

1. Falsos cognatos

Falsos cognatos são palavras que se assemelham ao português na escrita, mas divergem em significado, levando frequentemente a equívocos. Confira alguns exemplos:

continua depois da publicidade

  • Actually: esta palavra é frequentemente confundida com “atualmente”, mas seu verdadeiro significado é “na verdade”. Por exemplo, ao dizer “Actually, I didn’t mean that”, você está expressando “Na verdade, eu não quis dizer isso”, e não se referindo a algo que aconteceu recentemente;
  • Brave: embora soe como “bravo”, “brave” na verdade significa “corajoso”. É um adjetivo usado para descrever alguém que enfrenta situações perigosas ou difíceis com coragem;
  • Push: ao contrário do que pode sugerir a semelhança com “puxar”, “push” significa “empurrar”. É um verbo que indica a ação de aplicar força para mover algo para longe de si;
  • Parents: diferente de “parentes”, “parents” refere-se especificamente a “pais”, ou seja, ao pai e à mãe de uma pessoa.

2. Tradução literal

Outro obstáculo na aprendizagem de idiomas é a tradução literal, que muitas vezes resulta em perda de significado ou até mesmo em uma interpretação completamente equivocada.

Tomemos como exemplo a sentença: “Paul gets on the bus at ten o’clock“. Se traduzirmos cada palavra isoladamente, obteríamos algo como “Paulo pega sobre o ônibus no dez horas”, o que não faz sentido.

continua depois da publicidade

O correto seria entender que “Paulo pega o ônibus às dez horas”. Isso ressalta a importância de captar o contexto e minimizar o uso da tradução direta.

3. Usar “have” para tudo

Para expressar posse em inglês, utilizamos o verbo ‘have’, como em “I have a cat” (Eu tenho um gato); para indicar existência, empregamos o verbo ‘to be’, por exemplo, “In my city there are many parks” (Na minha cidade há muitos parques); e para adjetivos que descrevem estados emocionais, como ‘afraid’, também recorremos ao verbo ‘to be’, como em “I am afraid of the dark” (Eu tenho medo do escuro).

É importante notar que, embora em português frequentemente usemos o verbo ‘ter’ nestas situações, no inglês, a escolha do verbo ‘have’ não é uma regra geral e depende do contexto.

 

continua depois da publicidade

4. Escolha da preposição inadequada

A escolha incorreta de preposições é um erro comum, com “in”, “on”, “to”, “for”, “of”, “at”, “with”, “about”, “from” e “by” sendo frequentemente mal utilizadas.

Por exemplo, “at”, “on” e “of” são muitas vezes empregados erroneamente para locais, quando “in” seria apropriado.

O mesmo ocorre com períodos de tempo. As preposições variam conforme o contexto, e memorizar frases como “look at” ou “good at” pode ajudar a evitar confusões e melhorar a precisão no uso do inglês.

5. Negativos duplos

A dupla negação em inglês, como em “I did not do nothing” ou “I will not go nowhere“, é gramaticalmente incorreta, pois duas negativas resultam em uma afirmação.

Em contextos formais, deve-se usar termos como “anything” ou “anywhere” em vez de “no” ou “nowhere”. Por exemplo, “I didn’t do anything” ou “I won’t go anywhere“.

Em português, as traduções são equivalentes, mas é essencial entender a estrutura do inglês para evitar esses erros.

6. Verbos irregulares

Assim como no português, os verbos em inglês dividem-se em regulares e irregulares. Desse modo, é preciso ter atenção para não conjugá-los todos como se fossem regulares, pois muitos não seguem essa regra.

Alguns verbos regulares no passado simplesmente adicionam “ed” ao final (por exemplo, “talk” vira “talked”, “work” se torna “worked”).

No entanto, existe uma série de verbos irregulares que mudam completamente sua forma no passado, como “go”, que se torna “went”, e “eat”, que se transforma em “ate”.

7. Posição dos adjetivos

Por fim, na língua inglesa, é comum que os adjetivos precedam os substantivos. Por exemplo, temos “girl” que é um substantivo e significa “garota”, e “pretty”, que é um adjetivo e significa “linda”.

Assim, ao construir uma frase, o adjetivo é colocado antes do substantivo, resultando em: “She is a pretty girl” (Ela é uma garota linda).



Source link

Leave a Reply